Ferramentas do usuário

Ferramentas do site


unix:shell_basico

UNIX: Uso básico do Shell

O shell

O shell é o programa que permite a interação do usuário com o sistema, em modo texto. Em UNIX existem vários tipos de shell, com funcionalidades diversas. Os mais conhecidos são:

  • Bourne shell (sh): o mais antigo, está presente em quase todos os sistemas, pois é necessário para diversas operações administrativas.
  • C shell (csh): de sintaxe mais simples, é mais fácil de usar e por isso preferido pelos usuários iniciantes. É o shell default do sistema Solaris.
  • Korn shell (ksh): mistura características de ambos os anteriores. Muito usado em ambientes IBM e HP.
  • BASH Shell (bash): Bourne-Again Shell, é uma extensão do sh e utilizado como padrão nas máquinas Linux.

Neste curso estaremos usando o shell chamado bash. Para informações específicas sobre esse shell consulte sua página de manual (man bash).

A linha de comando

O uso do shell se baseia em comandos digitados em uma linha de comando. Os comandos têm normalmente a seguinte sintaxe:

comando opções parâmetros

Por exemplo:

ls -l /etc

Cada comando possui suas opções, que podem ser conhecidas através da página de manual respectiva. Ao receber um comando digitado pelo usuário, o shell executa as seguintes ações, em sequência:

  1. ler a linha de comando e quebrá-la em palavras
  2. armazenar a linha no histórico
  3. resolver variáveis de ambiente
  4. resolver aliases de comandos
  5. resolver wildcards (caracteres curingas ou metacaracteres)
  6. lançar cada um dos comandos com seus parâmetros
  7. esperar o fim dos comandos
  8. voltar ao início

Essas ações são executadas repetidamente até o encerramento do shell, seja pela morte do processo ou pelo comando exit.

Wildcards

Wildcards são caracteres que permitem designar nomes genéricos para arquivos e diretórios na linha de comando. O Bash permite o uso das seguintes possibilidades de wildcards:

* : designa qualquer string com zero ou mais caracteres. Para listar todos os arquivos que começam com a letra c no diretório /usr/bin:

ls -l /usr/bin/c*

Idem, arquivos cujo nome contém a string coa em qualquer posição:

ls -l /usr/bin/*coa*

Idem, arquivos cujo nome contém as letras c, e e s em sequência:

ls -l /usr/bin/*c*e*s*

? : designa qualquer caractere único. Para listar todos os arquivos cujo nome contém três letras no diretório /etc:

ls -l /etc/???

Idem, arquivos cujo nome contém a como segunda letra:

ls -l /etc/?a*

[] : designa um conjunto de caracteres. Para listar todos os arquivos que começam com uma vogal minúscula no diretório /etc:

ls -l /etc/[aeiou]*

Idem, arquivos contendo dois dígitos consecutivos:

ls -l /etc/*[0-9][0-9]*

{,} : permite definir padrões alternativos. Por exemplo, para remover todos os arquivos .doc ou .pdf do diretório /tmp:

rm /tmp/{*.doc,*.pdf}

Idem, para remover arquivos contendo as strings abc ou xyz:

rm /tmp/*{abc,xyz}*

Variáveis

O shell permite a criação de variáveis para armazenar valores durante uma sessão de trabalho ou em scripts. Existem dois tipos de variáveis: locais e exportáveis ou variáveis de ambiente.

As variáveis exportáveis ou de ambiente: são acessíveis a todos os comandos lançados pelo shell (são transferidas a todos os processos filhos daquele shell). Normalmente são escritas em letras maiúsculas. Para criar uma variável de ambiente basta executar export VAR=valor. Observe que não pode haver espaços em brancos entre o nome da variável, o sinal de atribuição = e o conteúdo da variável. Para destruir uma variável basta utilizar o comando unset. Exemplo:

export JDKHOME=/usr/local/jdk
echo $JDKHOME
unset JDKHOME

Para acessar o conteúdo de uma variável basta utilizar o caractere $ antes do nome da variável. Um outro exemplo de utilização:

export JDKHOME=/usr/local/jdk
echo ${JDKHOME}
unset JDKHOME

Algumas variáveis de ambiente exportáveis têm valor pré-definido pelo shell, e são importantes para o funcionamento normal da sessão de trabalho. Vejamos as principais (a lista de variáveis exportáveis pode ser consultada através do comando env):

  • PATH : define os diretórios onde podem ser encontrados programas executáveis
  • MANPATH : define os diretórios contendo páginas de manual
  • USER : nome de login do usuário da sessão
  • HOME : diretório home do usuário
  • HOST : nome do host (máquina)
  • SHELL : shell ativo
  • TERM : tipo de terminal
  • MAIL : localização da caixa de correio do usuário no sistema local

As variáveis locais são acessíveis somente dentro do shell onde foram criadas. Para criar uma variável local basta fazer var=valor, repare que não pode existir espaços em brancos entre o nome da variável, o sinal de atribuição = e o conteúdo da variável. Para destruir uma variável basta utilizar o comando unset.

nome=joao
echo $nome
touch $nome.txt
unset nome
nomes=( joao maria pedro antonio )
echo ${nomes[2]}
mkdir ${nomes[3]}
unset nomes

As variáveis locais podem armazenar listas de valores, úteis sobretudo na construção de scripts. A forma de definição e uso de variáveis contendo listas segue a seguinte sintaxe:

  • $nome : o conteúdo da variável nome
  • ${nome[x]} : o conteúdo da variável, na posição x
  • ${nome[@]} : o conteúdo de toda a lista de valores contida na variável
  • ${#nome[@]} : o número de posições (entradas) da variável
  • ${#nome} : o número de caracteres da variável (na entrada indicada, se existir mais de uma)

Vejamos alguns exemplos:

~> nome=( joao maria pedro antonio luis )
~> echo $nome
joao
~> echo ${nome[3]}
antonio
~> echo ${#nome[@]}
5
~> echo ${#nome}
4

Aliases

O shell permite facilmente a criação de novos comandos ou a redefinição de comandos já existentes, através de aliases. Por exemplo, para criar um alias copy para o comando 'cp -i' , basta executar:

alias copy='cp -i'

Assim, copy torna-se um comando válido durante a sessão corrente (veremos logo a seguir como criar aliases permanentes). Os aliases podem usar variáveis de ambiente também, como mostra o seguinte exemplo:

alias ola='echo "Olá $LOGNAME, como vai você?"'

Para desativar um alias basta usar o comando unalias:

unalias ola

Os aliases existentes na sessão podem ser consultados usando o comando alias sem parâmetros.

Histórico

Todos os comandos executados em uma sessão são memorizados pelo shell, e podem ser consultados e reexecutados quando desejado. Para consultar o histórico basta executar o comando history. Os comandos que são digitados são armazenados dentro do arquivo .bash_history que está em seu diretório de trabalho. Os comandos de uso do histórico começam sempre pelo sinal ! (ponto de exclamação). Vejamos os mais comuns:

  • !132 : reexecuta o comando de número 132 do histórico
  • !-2 : reexecuta o penúltimo comando
  • !! : reexecuta o comando anterior (equivale a !-1)
  • !gr : reexecuta o último comando começando com as letras gr

Configuração

Ao ser lançado, o shell lê arquivos de configuração que contém comandos para definir o ambiente de trabalho de cada usuário. A sintaxe dos arquivos de configuração é bastante simples, similar à sintaxe das linhas de comando. O Shell Bash lê os arquivos de configuração, caso existam, na sequência apresentada a seguir:

  • /etc/profile : contém configurações comuns a todos os usuários; executado no momento do login.
  • ~/.profile : contém configurações específicas ao usuário; executado no momento do login.
  • /etc/bash.bashrc : contém configurações comuns a todos os usuários; executado durante lançamento de cada shell.
  • ~/.bashrc : contém configurações específicas ao usuário; executado durante lançamento de cada shell.

Para criar variáveis e aliases permanentes, ou para executar comandos ao iniciar o shell, basta inserir os comandos correspondentes no arquivo desejado. Por exemplo, se inserirmos o comando

alias ola='echo "ola $LOGNAME, como vai voce"'

no arquivo ~/.bashrc, no próximo lançamento de shell ele será lido e fará parte dos comandos disponíveis ao usuário.

Exercícios

  1. Crie aliases para os comandos copy, ren, del, type, dir e move do MS-DOS, e os inclua no arquivo de inicialização do shell.
  2. Coloque uma mensagem de boas-vindas na inicialização do shell, com o conteúdo abaixo. Para as linhas de data e hora, consulte as páginas de manual dos comandos date e echo.
Ola usuário joão
Seja bem-vindo à máquina server1
Data: 07/04/1999
Horário: 19:35:42
unix/shell_basico.txt · Última modificação: 2018/02/06 13:42 por maziero